domingo, 9 de fevereiro de 2014

MEU PAPEL É UM ALTAR

Francisco Miguel de Moura*
              “Minha música está nas letras,
                notas que se perdem na palavra.”**
                                                             F. M. M.


Os sons dos meus rabiscos soam
Sonorosos onde as letras se perdem.
Meu papel em branco é leite e mel
Para o pensamento preso em nós...

Duros são os instantes do homem!

Solto meus cães e pássaros na manhã
Sem neblina, ao sol que me amanhece.
               E eles viverão.

Minha ciência é a crua natureza.
Deus é tão rico! Faz bonito e belo
Tudo o que faz. E inda há quem diga:
       Ai, que feia Criação!

O diferente é belo e cabe no poema
Como na tela de um pintor barroco.
E este é, sim, igual a nossos pássaros,
Que levam nos seus braços nossa fé,
Voando para o além dos infinitos.

Terra é terra e Deus - vida e energia.
E no altar do papel - palco e juiz,
Vida e amor são luzes, são poesia.

_______________
*Francisco Miguel de Moura, poeta brasileiro. Este poema tem por fim lembrar que
 nem tudo o que parece é. Nem a tela do computador será eterna.
**A epígrafe acima também é minha - pequenino poema que a este se agrega.

Um comentário:

Regina Ragazzi disse...

Venho aqui e saio respirando poesia...
Abraços amigo poeta!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...