quarta-feira, 26 de setembro de 2012

FRANCISCO MIGUEL DE MOURA – SINÔNIMO DE LITERATURA

“(...) Notei ainda que as pessoas mais sábias nem sempre têm o que comer e que as mais inteligentes nem sempre ficam ricas. Notei também que as pessoas mais capazes nem sempre alcançam altas posições. Tudo depende da sorte e da ocasião” (Ec 9.11b)
    
  
          *Gilson Chaga, escreveu:                                                                                                                     
 Em 1973, a publicação de meu primeiro livro me propiciava, entre outras alegrias, a chance de conhecer, em pessoa, alguns dos expoentes da imprensa e letras do meu estado natal, o Piauí. Com o encantamento do quase adolescente que se vê diante de seus mitos, pude, enfim, entrevistar-me, num plano favorável, com Carlos Said – o legendário “magro de aço” - que se tornara padrinho e divulgador de minhas colaborações ao seu programa “Poesias do Piauí”, na “Rádio Pioneira de Teresina”. Inestimável apoio recebi de Herculano Moraes, já poeta de renome e secretário de redação do jornal “O Estado”, concorrente de “O Dia” na liderança jornalística regional.  Encontrei generosa acolhida em A. Tito Filho, ícone da cultura, emérito incentivador dos autores iniciantes e eterno presidente da Academia Piauiense de Letras. Conservo, ainda indeléveis, preciosas lições de Fontes Ibiapina, em nosso encontro de apresentação, na casa de seu irmão Pebinha, na cidade de Picos. Daquela primeira conversa que, ao lado do hoje destacado jurista e poeta Ozildo Barros, tive com o notável escritor, pincei a enfática afirmativa que ele ali fizera sobre Francisco Miguel de Moura. Este, a quem eu conhecia de Santo Antônio Lisboa e, à época, já com três livros na praça, era nome emergente na literatura do estado. Dentro de um contexto mais amplo, disse-nos Fontes Ibiapina, sem reserva: - “O livro de Chico Miguel, “Linguagem e Comunicação em O.G. Rego de Carvalho”, é tão bom quanto a própria obra por ele analisada”.      
O veredicto de Fontes – doutor da lei e das letras - era apenas um minirretrato de uma carreira em começo - alvissareiro por excelência. No curso destas décadas subsequentes, a obra de Chico Miguel expandiu-se e aperfeiçoou-se. Cresceu em número e profundidade; abriu-se para variados gêneros; diversificou-se.    Lançou ele, até aqui (2012), 33 livros: 15 de poesias 4 romances, 3 volumes de contos, 2 volumes de crônicas, 7 de crítica ou história literária, 1 biografia, 1 memorial, sem contar opúsculos de crítica, depoimento e discursos. Além destes, há milhares de artigos espalhados por jornais e revistas do Brasil e do exterior.  Como diria Zé da Luz, o poeta do absurdo, ele está na “Oropa, França e Brasil”.
Pelo esmero e densidade dos textos em prosa ou verso e de sua militância quase religiosa em favor da literatura, tem sido fartamente estudado e saudado pela crítica qualificada; lido e aplaudido pelos núcleos seletos aonde sua criação tem conseguido chegar. Tornou-se, enfim, nesses anos, referencial e fonte para pesquisas, dentro e fora do Piauí. É também analista e prefaciador concorrido por autores novos e veteranos

Infelizmente, contudo, por fatores abstratos - cuja existência e efeitos o bicho-homem - admita ou conteste - não pode controlar – a obra de Chico Miguel não tem recebido tratamento justo do grande mercado editorial brasileiro, quiçá, internacional.   Juntam-se, por certo, a esses “fatores incontroláveis” algumas causas visíveis, como os históricos estigmas que, no curso dos séculos, operam e perduram contra as regiões e unidades federativas de menor expressão socioeconômica, que “a roda dos escarnecedores” (des)classifica como “longe demais das capitais”. Esses crônicos preconceitos, absurdos mas palpáveis - por um sistema perverso de transferência, acabam obscurecendo a arte produzida em estados como o nosso e limitam os horizontes dos talentos que, pelos vários motivos, neles permanecem. Raras foram até aqui as exceções que conseguiram “escapar” a esse cerco.
         O fato é que, embora muito bem difundido nos domínios regionais, o nome de Chico Miguel, se não é exatamente inédito no restante do país – posto ter o respeito de grupos específicos - ainda não alcançou os grandes contingentes que consomem cultura além de suas habituais fronteiras.  Precisa ser (urgentemente) “descoberto” pelas editoras ditas “top”, para ser “apresentado” à grande massa. Pois no segmento editorial que reina no mercado imperam alguns enigmas e paradoxos. Exemplo: embora o livro constitua a “matéria-prima” dessas empresas, a qualidade literária da obra não garante sua seleção. E – pasme-se! – às vezes, atrapalha.  Há mais critérios e interesses entre o teto e o piso das engrenagens humanas do que supõe nossa vã filosofia. E esses descompassos têm gerado alguns mostrengos sociais. Exemplo disso é o JUQUINHA ASS (bumbum) MUSIC, santo do pau oco que vem “surfando numa onda”, arrasta multidões, fez escola e fortuna, virou celebridade. Enquanto isso, o genial Zé da Silva, que atravessou a vida real “num rabo de foguete”, deixou toneladas de grande ficção, mas nunca teve, nem terá um grama de reconhecimento. Melhor “sorte” mereceram João Sebastião e Vicente. Um músico, outro artista plástico. Ambos ouviram sonoros muxoxos dos contemporâneos, tocaram em brancas nuvens suas vidas quadradas, mas acabaram “consagrados” na posteridade.                                                  
       Cabe, por fim, instar o empresariado do livro a abrir uma página de seu catálogo para autores como Francisco Miguel de Moura, escritor de nome simples, que é sinônimo de literatura no Piauí desde 1966. Este, o ano de “AREIAS”, sua poesia de estreia. A bibliografia de Chico, criada em padrões de excelência, teve, até aqui, seu potencial mercadológico subutilizado em edições independentes e pequenas tiragens de programas governamentais. Ela e ele aguardam apenas um “banho” de editora, distribuição e mídia, para ocuparem, afinal, o patamar literário que lhes é de direito.
        Os leitores torcemos para que essa injustiça - que já está perpetrada – não se perpetue.  E, “para o bem de todos e felicidade geral da nação”, que essa obra singular possa ter suas fronteiras rompidas, para tornar-se, afinal, legitimamente possuída e plenamente desfrutada por seus donos verdadeiros, a massa leitora desta geração.
    
______________________
*Gilson Chagas, escritor e professor universitário em Brasília-DF, autor de 2 romances e um livro de poemas, além de várias obras técnicas no ramo de Ciências Contábeis.

Nota do Editor do Blog: Para que não reste dúvida ao leitor, os 4 últimos livros do autor enfocado neste artigo foram:  "O menino quase perdido" (2009); "A graça de cada dia" (2009);  "Arfogo" (2010);  "Cinquenta sonetos" (2011).
  

4 comentários:

Verinha Portella disse...

Boa tarde, Chico Miguel!

Estou aqui para te falar de minha alegria com sua visita ao meu céu da felicidade.
Sou tua seguidora...gosto muito de ti...de teu trabalho.
É raro alguem perceber o quanto realmente a poesia é um estado de espírito,simples e tolo,porém muito feliz. Que coisa boa ...existir Gente como tu,Chico.,
que consegue ver através do coração...com tanta simplicidade e tanta...tanta ...tanta SABEDORIA.

Um abraço ...bem forte, carinhoso.

Vera portella

CHIICO MIGUEL disse...

Verinha, surpreendeu-me seu comentário, pois ao que me parece é ainda uma pessoa tão jovem. Fui ao seu blog não encontrei seu e-mail. Gostaria de ter seu e-mail. Seu blog acessei com muita alegria, gostei de seus poemas, simples, prém muito cheios de vida e sensualidade - e sensualidade é vida e é amor. Você é um amor. Beijos e abrçaos.
chico miguel

Marisete Zanon disse...

Olá Chico Miguel! Saudações poéticas meu caro!
Agradeço imensamente as palavras deixadas em comentário a meu poema e a boa ´deia que fez de minha capacidade de escrever. Sigo aqui o seu espaço, pois li o apanhado que seu amigo deixou nesta página sobre seu trabalho e também li alguns de seus poemas, dignos de que uma editora os publicassem, mas infelizmente o nosso país está longe de reconhecer os bons talentos. Digo país, mas na verdade o que rege o mercado editorial é o modernismo, o comprismo por material descartável que não se guarda no coração, assim como também a nossa música de qualidade que não entra nos estúdios de gravação. É uma pena meu caro, mas prossigamos com nossos blogues humildes e substanciosos para quebrar a cara de muita gente besta que só pensa em dinheiro. O capitalismo é o pai da desgraça.
Um grande e afetuoso abraço!
Estou lincando seu blog.

CHIICO MIGUEL disse...

Obrigado,Marisete.
Você tem razão, prossigamos no dia a dia e noite a noite (a dentro) dos nossos blogs. Quem não gosta de elogios. Você gostou. Eu gostei também.Somos sinceros, amigos e poetas.
Pronta. A vida é poesia, vivamos pois com todas as letras. Gostei também de ter linkado meus espaços no seu blog.
Muito obrigado, beijos amigos e abraços do coração
Chico Miguel

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...