quinta-feira, 22 de agosto de 2013

VER E VIVER

Francisco Miguel de Moura*




Sou galho seco: a paisagem me devora,
Alonga-se em garranchos, espinhos, pauis
De catingas estéreis em terras arenosas.
Não vejo ondas nem dunas pela praia
Enquanto ouço o sal do marulho do mar.

Sou quase cego, mas vivo para o amor
E para sensações outras como o tato,
O cheiro, o sabor e as cores sem cor.

Se eu visse o mundo tal como seria,
Viveria feliz entre gentes e coisas.
Mas meu saber é simplesmente amar
Imagens do que falta e do que além vai.

Morre comigo a paisagem próxima,
Vive comigo quando se vai. E vem!...
Sou tão esquisito! Por vezes, me admiro,
Que me vi ontem no que nada vi,
No que morreu e creio que em mim vive.

- Vem para os meus braços, vem sentir
O calor de um coração que bate e bate...
Fraco, porém com a força da coragem
De morrer, morrer de amor somente.

Talvez que os poetas sintam, sofram mais,
Quando deixam o belo fugir e vão atrás.

_____________________
*Francisco Miguel de Moura, poeta brasileiro portador de prosopagnosia, pequena falha na memória que dificulta guardar os traços do rosto humano, no seu conjunto. Por isto o poeta presta mais atenção a tudo mais – fala, altura, roupa e demais traços e gestos.



3 comentários:

Nádia Santos disse...

Que versos lindos e sentidos querido poeta, me emocionei... Tenha um lindo dia querido é sempre um prazer vir aqui.

AntônioVanderley Santos disse...

Belos versos como os demais poeta!!! Não nos cansamos de parabénizá-lo sempre. Abraçopoético&educacional de um aprendiz de poesia.

regina ragazzi disse...

Em um galho seco
surge uma pequena folha:
A vida insisti...

E o que mais é importante que amar? Só amar e mais amar...

Um dos seus mais lindos poema Chico!!

Amei!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...