sexta-feira, 28 de março de 2008

SER PARA...


Francisco Miguel de Moura*

Eu sou o que não fui
Serei o que não sou
Em mim a vida rui
Ou... ou...


Não fui o que serei
Não serei o que sou
A vida não conflui
Em mim
Parou?


Ninguém é nada e tudo
Ninguém é tudo – nada
Quem fala fica mudo
Caluda!


Ser pra não ser nada,
O tudo ninguém é;
A vida é uma coalhada
De fé e de esperança,
De mão e boca. De ânsia,
O gosto desce ao pé.


__________

*Francisco Miguel de Moura, poeta brasileiro, mora no Piauí.

3 comentários:

Minha Esperança disse...

Sábias agudezas... refinamentos...
- não!
Nada disso encontrarás aqui.
Um poema não é para te distraíres
como com essas imagens mutantes de caleidoscópios.
Um poema não é quando te deténs para apreciar um detalhe
Um poema não é também quando paras no fim,
porque um verdadeiro poema continua sempre...
Um poema que não te ajude a viver e não saiba preparar-te para a morte
não tem sentido: é um pobre chocalho de palavras.

Mario Quintana

Andréa Cristo disse...

Simplesmente maravilhoso.

Wilma Rejane disse...

Sr.Miguel, gostei do poema.Não sou uma crítica especialista em Literatura, mas tenho o termômetro do coração, da boa canção.
Wilma.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...