segunda-feira, 7 de março de 2011

A MALANDRAGEM BRASILEIRA



 Arcos da Lapa - bairro sede da malandragem


Francisco Miguel de Moura*


 

É possível que a malandragem seja universal, não sei. Para dizer, com todas as letras, necessário se faz uma pesquisa muito grande. Mas ela, a malandragem, existe aqui e alhures, não resta dúvida. A malandragem brasileira já é tradição, já chega a ter uma filosofia. Quem tem ouvidos para ouvir e tempo para pesquisar sabe que a música popular é cheia de registro dos costumes de nosso povo. E basta que a gente se lembre dos nomes dos conjuntos atuais, todos criados com malandragem (Chiclete com banana, Abóboras selvagens, Bidê ou Balde, Graforréia...), tal como as letras musicais. Escolhemos uma dos anos 1950/1960, que é só apelo de malandragem e violência: “Ei, você aí? Me dá um dinheiro aí / Me dá um dinheiro aí? Me dá um dinheiro aí! // Não vai dar, não vai dar não! / Você vai ver / A grande confusão / Que eu fazer / Bebendo até cair!... // Me dá, me dá, me dá / Ei, me dá um dinheiro aí!...” 

Na literatura propriamente dita os escritores dão preferência aos personagens de baixa renda, de nenhuma educação, meninos de rua, empregados domésticos, cantores de emboladas, pedintes, jogadores, o povo da noite, tão celebrados por João Antônio. Poderia citar Dalton Trevisan e outros, mas não quero cair na tentação da mídia, para “encher saco” e dizer que está com a verdade. Para ela, toda estatística é confiável, quantidade é tudo, qualidade não interessa.  

Outra coisa que aponto é a driblagem da lei. Prefiro citar a que conheço, de proteção ao idoso, por estar nesta faixa de idade. Idosos, deficientes, mulheres grávidas ou com criança de colo têm preferência nas filas dos bancos, das repartições públicas, dos cartórios, dos ônibus, etc. Mas, essa fila é sempre quebrada, deturpada. Por exemplo, em muitos desses lugares, seus donos instituíram a norma de atendimento a dois ou três (ou mais) clientes comuns antes de um idoso, repetindo-se a mesma ordem indefinidamente. Onde fica a preferência do idoso? – pergunta-se.

A simpatia pelo popular e a vergonha de não ser assim se tornaram tão fortes que se estendem para o uso da língua portuguesa: o doutor imitando o matuto, o empregado ditando regra na fala e até na escrita. Vimos recentemente o PT (Partido dos Trabalhadores), alçado ao poder há alguns anos, através de seus “intelectuais”, ditar moda nos auditórias, assembléias e reuniões: – O orador dirige-se à platéia com a saudação a “todos e todas”, em vez do “senhores, senhoras e senhoritas”; inventaram uma palavra para designar as pessoas de cor escura: “afrodescendente”. Ora, afrodescendentes somos todos nós, todos viemos de um tronco só, cujo espécime mais antigo foi encontrado na África. E tem mais. No futebol brasileiro, um jogador de nome Gerson que gostava de passar a perna nos seus colegas, não perdia oportunidade para suas malandragens. Daí  o nome de Lei de Gerson ao hábito de fazer tudo para levar vantagem. Lei da malandragem. 

Nas práticas educacionais, nunca se castigou quem pesca na escola, muito menos o que se deixa pescar para ser bonzinho (ou por pagamento). Temos até a tradição dos colégios PPP (pagou, pescou, passou). 

Em tudo há malandragem, falta de respeito, de educação, de humanismo. Na rua ninguém dá um lugarzinho ao outro pra passagem. Motorista não diminui a marcha para o pedestre – ao contrário acelera o motor. No elevador, ninguém dá mais bom dia. Quase todos jogam lixo na rua, garrafas de vidro e plástico pela porta do carro em movimento. O malandro carioca é o mais famoso, ele espalhou sua moda, dizeres, música, seu gingado, sua linguagem para o resto de país – porque o Rio era a capital do Brasil. Coisas que vêm do tempo do Rei, ou da Colônia escravagista. Por isto, atribuímos que o que acontece no Rio atualmente é uma guerra declarada nas favelas  viciadas em malandragem e droga,  não é d’agora, vem de longe. E deve-se ao costume brasileiro de deixar para amanhã o que poderia fazer-se hoje, de ser condescendente e permissivo em moral, daí passando para as leis – que temos muitas e poucas se cumprem, principalmente as punitivas imediatamente como as do Código Penal. 

Permissivos, promíscuos, indolentes somos. Doçura, ternura, homem cordial? Que importa! Eis aonde chegou o Brasil. Um país corrupto. Rico e corrupto. “Amanhã, eu já posso morrer, porque sei que todo boêmio vai sofrer!” Boêmios, malandros, corruptos, um fracasso de civilização. Nós construímos a filosofia da malandragem. 


Este é um típico malandro carioca



___________________
*Francisco Miguel de Moura, Escritor, membro da Academia Piauiense de Letra




7 comentários:

Gisa disse...

O pior que a filosofia da malandragem continua a ser exaltada por muitos que reconhecem nessas atitudes algum louvor e graça.
Um excelente texto, parabéns.
Um grande beijo querido amigo

Iram M. disse...

A malandragem ou jeitinho brasileira nada mais é uma forma de passar por cima dos outros de maneira "delicada", digamos assim.

O seu texto está maravilhoso, Miguel. Amo te ler.

Beijos, amigo

CHIICO MIGUEL disse...

Gisa e Iram,
Vocês são dois amores, graças a Deus tenho tão bonitas e inteligentes leitoras. Não sei como agradecer a acolhida. Espero que continuem a gostar dos meus blogs como eu gosto de vocês. E também dos blogs
Abraços do coração
8 de março de 2011

Iara Ga Iañez disse...

Passei para agradecer a visita e dizer que achei seus blogs maravilhosos.
Abraço literário
Iara

Anônimo disse...

Quanto pessimismo! Malandros existem,
mas a grande maioria não é feita de malandros. Temos também a mania de só enxergar o lado ruim. Será que não vale a pena falar do que é bom... Quando olho ao meu redor, vejo mais pessoas trabalhadoras do que malandros. Saio para trabalhar 7 horas da manhã e quase não há mais carros na garagem do prédio. Todos já saíram para trabalhar... ou será que foram malandrar pontualmente às 7 horas da manhã.

CHIICO MIGUEL disse...

Meu Caro Anônimo,
Não escrevi o artigo por maldade, nem fiz distição de classe. O malandro de hoje nem parece malendro - disfarça. O malandro brasileiro é malandro de tempo integral:não respeita sinal de tânsito,se achar algo na rua ou em cima de uma mesa de escritória, leva, principalmaente quando acredita que ninguém viu e portanto não pegá-lo no furto, mente desde que seja em proveito próprio, faz brincadeiras com os humildes e inocentes que parecem coisas de psicopata, bebe e dirige, bate em mulher e em criança, mulher também tem algumas, são malandras que acompanham os bandos de ladrões e latrocidas só para atrair e desviar a atenção por sua beleza, são as que deixam os filhos por aí ou mandam que saim pedindo esmolas pela, outra até batem no seu "homem", massacram, por isto ele vai beber, beber, e quando volta apanha mais... Há quem trabalha por horário e não cumpre, há quem compra voto e quem vende escondido, e, mais recentemente até mesmo a céu aberto. Enfim, realmaente não tem limite. Ainda bem verdade caro "Anônimo" que ainda não é a maioria dos brasileiros, mas se continuar assim, sem regras nem leis, pode virar maioria.
Teresina, PI, l3 de março de 2011

Anônimo disse...

Caro escritor,

Se considerarmos desde o início da civilização, até que os ditos humanos mudaram para melhor. E nós brasileiros não somos piores do que os demais. Veja como os europeus se aliam aos ditadores do mundo árabe para sugar os oprimidos de lá. A maldade só muda a forma de operar.
Na verdade, somos anjos e demônios, é só uma questão de oportunidade, e modos diferentes de estar no mundo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...